MOVIMENTOS TRADICIONAIS

Movimentos tradicionais nos quais Raymond Bernard teve cargos de responsabilidade:

Ordre de la Rose-Croix, AMORC
Ordem Rosacruz, AMORC

O primeiro contacto e a afiliação
Tendo tido um primeiro contacto com a AMORC (Antiquus Mysticusque Ordo Rosae Crucis - Antiga e Mística Ordem Rosae Crucis) através de Edyth Lynn, entre 1941 e 1945, inicia em 1945 a sua correspondência com Jeanne Guesdon, que era então Grande Secretária da AMORC para França e membro da FUDOSI. Em 1948 a AMORC é oficialmente reactivada em França e Raymond Bernard é recebido em Janeiro de 1949 como o membro nº 2 (estando o nº 1 reservado ao Imperator, o responsável internacional da AMORC, Ralph Lewis). Em Janeiro de 1952 é recebido na Militia Crucifera Evangelica, uma “cavalaria interior” da AMORC.

É nomeado Grão-Mestre da AMORC – França
Após a morte de Jeanne Guesdon, anterior Grão-Mestre da AMORC – França, a 29 de Março de 1955, o Imperator Ralph Lewis nomeia-o como sucessor da mesma a 15 de Janeiro de 1956. Nesse mesmo, ano, em Março, é nomeado administrador, bem como Grande Secretário da mesma. Esta jurisdição inclui um conjunto de países de língua francesa e conta com cerca de 700 membros. Raymond Bernard instala-se em Villeneuve-Saint-Georges, nos arredores de Paris, no local anteriormente ocupado por Jeanne Guesdon.

Expansão da jurisdição
Em Julho de 1957 começam a funcionar 40 organismos rosacrucianos no seio da jurisdição francesa, estabelecidos graças à iniciativa de Raymond Bernard. Nas décadas seguintes, até 1986, seguem-se uma série de visitas a vários pontos do globo onde a AMORC se encontra implantada (Egipto, Congo, Estados Unidos, Suíça, Marrocos, Haiti, Inglaterra, Benim, Togo, Holanda, Portugal, Senegal, Mauritânia, Costa do Marfim, Itália, Martinica, Grécia, etc.), no âmbito de congressos, viagens iniciáticas, convenções e seminários. Em Setembro de 1964 o Imperator congratula Raymond Bernard pelo aumento considerável da jurisdição francesa, que se tornou na mais numerosa da Europa, tendo apenas os Estados Unidos um número de membros mais elevado.

É nomeado Legado Supremo
No seguimento da morte de Martha Lewis, viúva do primeiro Imperator, H. Spencer Lewis, Raymond Bernard é eleito a 4 de Agosto de 1966 como membro do Conselho Supremo da AMORC, sendo-lhe atribuída a função de Legado Supremo.

Inaugura novos espaços da AMORC
Em 1969 transfere a sede da jurisdição francesa para um palácio localizado na Normandia, o Château d’Omonville. A 5 de Novembro de 1975 inicia as actividades do Château du Silence (Palácio do Silêncio), um lugar privilegiado para a meditação e os retiros místicos, perto da cidade de Lyon.

Dá lugar à nova geração
Em Julho de 1977, 21 anos após a sua instalação em Villeneuve-Saint-Georges, com o intuito de dar lugar a uma nova geração na condução dos movimentos espirituais, anuncia a sua decisão de abandonar o cargo de Grão-Mestre. Porém, continuará a assumir a função de Legado Supremo a nível mundial até 28 de Maio de 1986, data em que abandona também o Conselho Supremo da AMORC. Após a morte do Imperator  Ralph Lewis, Gary Stewart é eleito como seu sucessor. Raymond Bernard será o seu consultor pessoal. A 19 de Fevereiro de 1988, no Togo, fará a sua última participação numa convenção da AMORC.

Ordre Martiniste Traditionel, OMT
Ordem Martinista Tradicional, OMT

Recebe a iniciação martinista
Depois de ter sido nomeado Grão-Mestre da AMORC – França, Raymond Bernard é iniciado na tradição martinista em Julho de 1959 por Jess Duane Freeman, que por sua vez recebeu a iniciação de H. Spencer Lewis, numa cerimónia que tem lugar em São José, na Califórnia.

Restabelece e desenvolve a OMT
Posteriormente restabelece a Ordre Martiniste Traditionel, OMT (Ordem Martinista Tradicional) no seio da AMORC – França. 
A 17 de Janeiro de 1960 recebe os 3 graus da iniciação martinista, assim como o de iniciador, de Marcel Laperruque, Grão-Mestre adjunto do ramo de Robert Ambelain. Na realidade, trata-se de uma troca de iniciações. Mais tarde, Raymond Bernard encontrará Robert Ambelain num café junto da igreja da Madalena, em Paris, dele recebendo a  confirmação da regularidade acerca da transmissão recebida e por ele veiculada.

Em 1970, no início de Julho, visita o Haiti enquanto Legado Supremo da AMORC e inicia os primeiros membros deste país na OMT. Enquanto Grão-Mestre da OMT, e num espírito de fraternidade, convida a Ordem Martinista de Papus, que é representada pelo Grão-Mestre Irénée S. e o Grão-Mestre de Honra, Philippe Encausse, para um Conventículo da OMT. Este encontro realiza-se a 21 de Fevereiro de 1972. A 19 de Fevereiro de 1988, no âmbito de uma convenção da AMORC no Togo, presidirá ao seu último conventículo martinista.

Numa entrevista privada realizada a 7 de Março de 2003, Raymond Bernard fala acerca da sua filiação iniciática martinista e de como desenvolveu em França através da OMT, desde a década de 1960. Nesta ocasião, refere os seus contactos com Robert Ambelain, Philippe Encausse e Marcel Laperruque. Recorda por fim a divisa por si criada para a AMORC: «A mais ampla tolerância na mais estrita independência.»

Ordre Rénové du Temple, ORT
Ordem Renovada do Templo, ORT

É recebido na tradição templária
Durante uma viagem a Itália realizada em Outubro de 1955, Raymond Bernard recebe uma tradição templária de natureza singular, que se situa fora da continuidade habitual da progressão maçónica. Ela irá desvelar-se completamente em 1968 durante uma nova viagem a Grotta Ferrata, na abadia de S. Nilo, para além daquela que lhe virá a ser transmitida em São José, na Califórnia. Desta forma é depositário de uma legitimidade completa e reconhecida para a perpetuação da tradição templária.

Efectua as duas primeiras transmissões
A 23 de Setembro de 1968, pelo meio-dia, na cripta da Catedral de Chartres, por via de uma breve e discreta cerimónia, Raymond Bernard transmite a tradição templária a Robert Devaux e Julien Origas, cumprindo as instruções dadas pelo seu iniciador. Este facto é relatado na versão completa do seu livro Rendez-vous Secret à Rome (Encontro Secreto em Roma), cuja 1ª edição é publicada no início de 1970 pelas Editions Rosicruciennes.

Funda a ORT
Com o consentimento de Ralph Lewis, Raymond Bernard cria a Ordre Rénové du Temple (Ordem Renovada do Templo), ORT, a 26 de Outubro de 1970. Porém, no mês de Abril do ano seguinte abandona a presidência da ORT, assumindo o Grão-Senescal da Ordem, Julien Origas, a função de Grão-Mestre. No mesmo ano, em Dezembro de 1971, Raymond Bernard retira-se do conselho de administração da ORT e de todas as suas actividades no seio deste movimento, para se consagrar exclusivamente à sua função de Grão-Mestre e Legado Supremo da AMORC. Até 16 de Outubro de 1972 mantém uma relação epistolar de aconselhamento com Julien Origas, data em que se demite da ORT, rompendo também de forma oficial e definitiva qualquer ligação entre a ORT e a AMORC.

Cercle International de Recherches
Culturelles Et Spirituelles, CIRCES
Círculo Internacional de Pesquisas Culturais e Espirituais, CIRCES

A fundação
Em Outubro de 1987, Raymond e Yvonne Bernard instalam-se nos Camarões, em Yaoundé, onde são redigidos a maior parte dos escritos que servirão de base para o estabelecimento do futuro CIRCES. Em Janeiro de 1988 regressa dos Camarões e cria o CIRCES (Cercle International de Recherches Culturelles Et Spirituelles – Círculo Internacional de Pesquisas Culturais e Espirituais), um movimento que se baseia na acção no mundo, sendo então 
anunciado na revista Le Monde InconnuAs actividades têm início no dia 19 de Fevereiro de 1988.

O crescimento
A primeira assembleia plenária na Sorbonne tem lugar a 26 de Junho de 1988 e conta com a presença de 700 membros, incluindo representantes de cerca de dez países. É feita uma apresentação completa dos trabalhos do CIRCES exterior e interior, que se assume como um movimento amplamente aberto, de inspiração cavaleiresca mas onde, ulteriormente, o progresso se realiza de uma maneira lenta.

O CIRCES tem um desenvolvimento célere e nos anos que se seguem realizam-se uma série de viagens internacionais (Suíça, Portugal, Brasil, Zaire, Israel, Chipre, Luxemburgo, Benim, Madagáscar, Itália, Estados Unidos, Colômbia, Abidjan, Austrália, Inglaterra, Bélgica, Costa do Marfim, Roménia, Togo, etc.) onde são nomeados os Chanceliers, responsáveis nacionais para cada país.

A reestruturação
A 25 de Setembro de 1991 efectua uma reestruturação do CIRCES, eliminando qualquer forma de ensinamento no seio do movimento e interrompe o envio de qualquer forma de comunicação regular, privilegiando assim a tradição oral e o trabalho colegial. Em 1 de Setembro de 1993 dá-se a fusão do CIRCES com a OSTI. O CIRCES adquire uma nova denominação a 9 de Dezembro do mesmo ano, passando a ser conhecido como Comité d’Initiatives et de Réalisations Caritatives Et Sociales (Comité de Iniciativas e de Realizações Caritativas e Sociais), sendo o ramo cultural, científico, humanitário e caritativo da OSTI.

A passagem de testemunho
Em Maio de 1997, Raymond Bernard cessa as suas funções de Grão-Mestre da OSTI e transfere-as oficialmente para Yves Jayet a 15 de Junho do mesmo ano. Na celebração dos 10 anos do CIRCES, em Villeneuve-Saint-George, Raymond Bernard participa como convidado de honra. Será a sua última participação num encontro da OSTI e do CIRCES, do qual se encontra retirado desde Junho de 1997.

Ordre Souverain du Temple Initiatique, OSTI
Ordem Soberana do Templo Iniciático, OSTI

A fundação
Raymond Bernard estabelece a Ordre Souverain du Temple Initiatique (Ordem Soberana do Templo Iniciático),  OSTI, no Palácio dos Papas em Avignon a 25 de Setembro de 1988 durante o primeiro colóquio do CIRCES , procedendo a 45 iniciações.

O crescimento
Nos anos seguintes realizam-se uma série de viagens iniciáticas, conventos, colóquios e cenáculos um pouco por todo o mundo (Portugal, Abidjan, Benim, Chipre, Estados Unidos, etc.)

A reestruturação
A 25 de Setembro de 1991 efectua uma reestruturação na Ordem, eliminando qualquer forma de ensinamento e interrompendo o envio de qualquer forma de comunicação regular, privilegiando assim a tradição oral e o trabalho colegial. Em 1 de Setembro de 1993 dá-se a fusão do CIRCES com a OSTI. A Regra do Templo, redigida por Raymond Bernard, o Senescal e o Marechal, é formalmente decretada a 30 de Maio de 1993 em Tomar, no Convento de Cristo.

A passagem de testemunho
Em Maio de 1997, também em Portugal, no Convento de Cristo, Raymond Bernard cessa as suas funções de Grão-Mestre da OSTI e transfere-as oficialmente para Yves Jayet a 15 de Junho do mesmo ano. 
Na celebração dos 10 anos do CIRCES, em Villeneuve-Saint-George, Raymond Bernard participa como convidado de honra. Será a sua última participação num encontro da OSTI e do CIRCES, do qual se encontra retirado desde Junho de 1997.

Adaptado de: Raymond Bernard – Puzzles d’Une Vie

Deixar uma resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

WordPress.com Logo

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Log Out / Modificar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Log Out / Modificar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Log Out / Modificar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Log Out / Modificar )

Connecting to %s